Dando o preço certo para o seu produto

Por que dar o preço certo é importante para a sua empresa? Como faço para dar o preço certo para os meus produtos e serviços? Qual a diferença entre preços de atacado e de varejo?

Imagine um negócio: Plantas do Tadeo, uma loja de jardinagem especializada em criar solos específicos para plantas diferentes. Como empresário, o Tadeo é um ótimo botânico. Ele não sabe como dar os preços certos para cada solo. Alguns deles precisam ser feitos em laboratório, mas outros só têm que ser cavados do próprio jardim.

Ele está sofrendo para dar preço para o solo de lírio. O Tadeo chegou num ponto que ele só quer deitar dentro de um buraquinho no chão e esquecer de tudo. Mas já que virar uma planta não é um plano viável, como ele devia agir agora? Vamos descobrir!

Como o Tadeo pode escolher o quanto cobrar?

Cobrar um valor igual ao ano que ele nasceu?

Deixar os clientes pagarem o quanto quiserem?

Vendo quanto ele gastou produzindo o solo, pesquisando quanto os concorrentes cobram e calculando um preço que permita um lucro razoável?

Sem dúvida, pesquisa e cálculos racionais são a escolha certa aqui. Assim, o Tadeo pode escolher um preço que mantenha a empresa em pé e dê um lucros.

Dar preços é bem mais difícil do que só escolher o valor que você vai cobrar por um produto ou serviço. O preço determina, inclusive, o sucesso da sua empresa.

Dar preços te ajuda a descobrir o quanto você vai lucrar com suas vendas. Se você cobrar mais do que gastou para fazer suas coisas - bem, você vai receber um dinheiro que ajuda sua empresa a continuar funcionando.

Olhe, o preço certo pode seduzir os clientes. Um preço baixo, por exemplo, pode fazer o produto parecer uma pechincha. Já um preço mais alto pode fazê-lo parecer valioso ou desnecessário.

Então como você acerta o preço correto de um produto específico? Comece calculando seus custos, o que significa dar uma boa analisada no seu negócio.

Comece achando o custo da matéria-prima: as coisas que são usadas para construir o seu produto/serviço. Lembre-se que todos os itens entram na conta - se você for um soldador, tanto a ferramenta quanto o gás que vai dentro dela fazem parte do custo de matéria-prima.

Também tem que levar em consideração os custos de mão-de-obra: o tempo e dinheiro que levam para você e sua equipe fazerem o produto. Fatores como lidar com entregas e serviços ao consumidor. E não se esqueça de incluir o quanto você precisa para pagar seu próprio trabalho.

Por fim, você precisará de suas despesas adicionais. Relaciona todos os custos operacionais que afetam esse produto, desde marketing até tinta de caixa registradora. Em seguida, adicione seu trabalho, materiais e despesas para encontrar o custo total de produção do item.

Depois de saber quanto custa para produzir o seu item considere o valor que você pode vendê-lo. Em seguida, divida o custo total de produção por esse valor para obter o preço fixo do item: o preço mais baixo em que você pode vendê-lo e não perder dinheiro.

Lembre-se: se você vender mais de uma coisa, cuidado com os custos que afetam tudo - como hospedagem de site e aluguel de escritório. Aí, quando você for calcular o preço mínimo de cada produto, lembre de dividir esse custo geral entre os produtos individualmente.

Ok, agora você sabe o preço mais baixo que poderia cobrar para manter a empresa em pé. Agora é hora de definir quanto lucro você quer ganhar.

Muita gente quer ganhar o máximo possível do jeito mais fácil possível, para poder ir à praia e tomar caipirinha o dia inteiro. Mas talvez, só talvez, os clientes não estejam dispostos a pagar o preço da suas viagens.

Em vez disso, encontre o lucro total para atingir uma meta razoável em um período de tempo realista. Talvez a meta seja de negócios, tipo lançar o próximo produto, ou um objetivo pessoal, como pagar a dívida do cartão de crédito.

Sabendo quanto lucro você quer tirar das vendas, veja o quanto você consegue comercializar. Por exemplo, se você produzir e vender muitos produtos, dá para lucrar menos com cada produto e lucrar bastante.

Estude os preços da concorrência também. Veja se o lucro que você quer significa cobrar mais que eles. Se esse for o caso, pense em como dá para justificar isso para os clientes. Talvez você tenha que oferecer um produto de melhor qualidade ou ter alguma experiência diferente na sua loja que a dele não tenha.

Com tudo isso, dá para decidir o lucro mínimo que você quer. Sabendo qual é o seu lucro mínimo, dá pra entender o quão perto você está do preço mínimo.

Mas antes de botar um preço no seu produto, é legal pensar em quem vai vender, como vai vender, se é atacado ou varejo.

Vamos voltar aos solos do Tadeo, Uma loja de jardinagem gigante, a FloresTenda, quer estocar terra. Já que eles estão comprando em grande quantidade, o Tadeo pode oferecer o preço “de atacado” (o preço mínimo mais o lucro mínimo) e ainda se dar bem.

Mas e se o Tadeo quiser vender o solo diretamente para os consumidores? Aí ele aumenta o preço para “varejo”, que costuma ser o dobro do valor do atacado. Isso cobre os custos de manter a loja e ainda dar lucro.

Vamos estimar o preço mínimo de um dos seus produtos. Se você não tiver um produto, sem problemas - invente alguma coisa. Lembre-se: é uma estimativa, não precisa usar os valores reais.

Qual é o valor que custa para você e seus funcionários trabalharem no seu produto? (mão-de-obra) Ex.: R$3.000

Quanto você paga em matéria-prima para fazer seu produto? Ex.: R$700

Quanto são os custos adicionais do seu produto? Ex.: R$250

Quantas unidades do seu produto você acredita que consegue vender? Ex.: 5 produtos

O preço de equilíbrio por unidade é: 3.000 + 700 + 250 / 5: 790 reais.

Para mais informações, acesse nossa página no facebook.