Estratégia: Oceano Azul

Como transformar a competição com concorrentes em irrelevante, criando inovação de valor fora do oceano vermelho?

Quando se fala em estratégia organizacional, as empresas normalmente optam por: diferenciação, liderança em custos ou exploração de um nicho. Em outras palavras, elas fazem melhor que os concorrentes, ou produzem mais barato que eles, ou se especializam em um público muito particular.

W. Chan Kim e Renée Mauborgne cunharam os termos Oceano Vermelho e Azul para denotar o universo do mercado. Oceanos Vermelhos são todos os setores existentes hoje – o espaço de mercado conhecido, onde os limites do setor são definidos e as empresas tentam superar suas rivais para abocanhar uma parcela maior do mercado existente. A concorrência desenfreada deixa o oceano vermelho como sangue. Daí o termo oceanos 'vermelhos'.

Os Oceanos Azuis denotam todos os setores não existentes hoje – o espaço de mercado desconhecido, inexplorado e livre de concorrência. Como um oceano 'azul', ele é vasto, profundo e poderoso – em termos de oportunidade e de crescimento rentável.

Ela 'cria' um espaço inexplorado no mercado. O objetivo dessa estratégia de oceano azul não é acirrar a competição e derrotar seus adversários. A questão é tornar seus competidores irrelevantes ao se criar um novo limiar para o seguimento que se quer explorar, uma perspectiva totalmente nova.

Você encontra o livro 'A Transição para o Oceano Azul' nas lojas virtuais da Apple, Google ou Amazon.

Para mais informações, acesse nossa página no facebook.